Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ophélia

Livros. Filmes. Música. Poemas.

Ophélia

Livros. Filmes. Música. Poemas.


Publicado por Patrícia Caneira

05.04.20

09C033F8-C2D2-4EFA-9AD5-E2B2A91045CA.JPGAi Afonso Reis Cabral, foi amor à primeira leitura. O nome já prometia, andava por aí um rumor de que este era um dos melhores escritores da atualidade. Bastou-me o "Pão de Açúcar" para confirmar que nem todos os rumores são falsos. Em 2006 um brutal assassinato corria o país de Norte a Sul. Os noticiários referiam que um grupo de miúdos, alguns com apenas 12 anos, tinham morto brutalmente Gisberta, uma mulher transsexual de 45 anos. 

O tema gerou reportagens, crónicas e artigos de opinião. Em 2018, gerou também "Pão de Açúcar" que valeu a Afonso Reis Cabral o Prémio José Saramago. Há muita coisa nesta obra que nos prende, não só a escrita deliciosa do autor como a forma crua com que os personagens são relatados. Por momentos é fácil esquecer que isto que lemos não é ficção, mas a dura realidade. 

É desumano pensar que um grupo de crianças pode matar uma pessoa, mas é extremamente cativante perceber quem eram estas crianças, como cresceram, o que lhes enche as medidas, o que aspiram ser, como encaram as relações humanas. É aqui que entra Afonso Reis Cabral, que se afasta do crime e de Gisberta para se aproximar das vidas destes miúdos, tornando esta história diferente de tudo o que havia ocupado as páginas dos jornais. 

A história é contada a partir das confissões de Rafa, um dos envolvidos, que descobriu Gisberta num edifício abandonado e viveu uns quantos dias entre a repulsa e a atração que sentia por aquela pessoa, que gostava dele, precisava dos cuidados dele, o olhava como gente e até lhe deixava bilhetes que elogiavam a sua bicicleta. Rafa alimentou Gisberta, ajudou-a a tornar a sua casa mais habitável e até a levava a ver a vista, mesmo quando a doença já havia tomado conta do seu corpo.

Mas Rafa também sabia que algo só se tornava real quando era partilhado, enquanto fosse um segredo só seu, Gisberta não existia. E foi assim que, ao contar aos amigos a existência dela, o final da história se tornou negro como a noite. 

Conheci-o num dia em que granito, asfalto e cimento assentavam na cidade como a primeira neve. Só no Porto tanto feio e tanto betão se parecem com uma coisa bonita, o que vale de pouco, já que o encanto acaba quando bate o sol. Pelo menos o sol não bate assim tantas vezes. 

Afonso Reis Cabral consultou a decisão do Tribunal de Família e Menores do Porto, conversou com testemunhas e percorreu as ruas que aqueles miúdos percorriam todos os dias, desde a Ofícina ao edifício do Pão de Açúcar. Esta não é uma história que vai surpreender ninguém, até porque é raro encontrar quem não tenha ouvido falar de Gisberta. O que torna esta obra numa das melhores que já li é veracidade da escrita, o tom certo com que se passa dos tormentos de miúdos que viviam à sua sorte, ao carinho que sentiam por uma mulher transexual, culminando no ato de espancar e atirar o corpo a um poço.

A magia de um bom livro está na necessidade de o devorar todo de uma vez. Se não sabem o que ler por estes dias de quarentena, esta é uma aposta certeira, até porque "Pão de Açúcar" tem dois ingredientes que tornam qualquer receita irresistível: pessoas e circunstâncias. 

Pão de Açúcar
Afonso Reis Cabral
264 páginas
★★★★☆

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Ophélia está a ler

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub