Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ophélia

Livros. Filmes. Música. Poemas.

Ophélia

Livros. Filmes. Música. Poemas.


Publicado por Patrícia Caneira

23.01.21

E pimbas! Estamos confinados outra vez. Por aqui estou em casa já desde o Natal, quando terminei o meu contrato de trabalho que viria a ser substituído por outro mais alargado no final deste mês mas tenho plena noção que no meio de tantas medidas e ajustamentos tal pode não acontecer. Felizmente tenho a sorte de poder ficar por casa enquanto me dedico a 100% à tese. Sei que não existem muitos como eu e que estes são mesmo tempos dificeis, por isso, para os que os atravessam com maior penumbra, muita força!

No entanto, estar com saúde (pelo menos por enquanto), ter um tecto e uma vida estável por vezes não chega e o confinamento trouxe consigo alguns medos e ansiedades que se manifestam principalmente em mau estar físico, dificuldade de concentração e pouca produtividade. Mas isto não é sinal para abrandar e deixar-me ir com a corrente, pelo contrário. Nos últimos dias tenho tentanto encontrar formas de confinar melhor e como sei que não estou sozinha nisto de não saber viver na incerteza, deixo-vos três coisas que me têm feito muito bem nesta nova quarentena. 

2.jpg

10 minutos de yoga 

Descobrir o canal da Yoga With Kassandra foi quase um milagre para mim. Não consigo correr com o frio e estar o dia todo sentada à secretária era algo que me incomodava, até porque se torna o cenário perfeito para ganhar peso e essa é uma barreira que não quero cruzar. Assim propus-me a todos os dias de manhã, depois do pequeno-almoço acompanhar um dos vídeos da Kassandra e fazer cerca de 10 minutos de yoga. Não só me ajuda a ganhar energia e relaxar o corpo como também é das melhores atividades para a minha mente inquieta. Existem muitos vídeos de curto tempo e próprios para iniciantes por isso ninguém precisa de ser pró para experimentar. 

Ouvir música nova

A música é o melhor remédio e contra factos não há argumentos mas das coisas que mais gosto é o desafio de procurar músicas novas que realmente se encaixem com o meu estado de espírito. Neste momento o galardão vai para Jackson Browne e a sua maravilhosa "Late for the sky" e também para Dispatch e a música que tenho ouvido em loop "Year of the woman". 

Ler, ler, ler

Óbvio que isto não é uma dica inovadora, muito menos para quem me lê e para comigo mesma mas se há coisa que me ajuda a viajar nestes dias de confinamento e chuva são os livros. Impulsionada pelo desafio de janeiro da Rita da Nova, comecei a ler o Mataram a Cotovia, uma obra pertinente e necessária que já estava na minha lista há muito tempo e que até agora me tem tirado todos os dias um bocadinho da realidade. 

E vocês o que têm feito para aguentar o barco?


Publicado por Patrícia Caneira

20.12.20

Não consigo fazer três coisas ao mesmo tempo. Com um trabalho a tempo inteiro e horários rotativos e uma tese de mestrado para entregar, foi o Ophélia que acabou por ficar para trás. Na verdade, foi ele e também os livros, que desde outubro estão todos parados na gaveta. 

No entanto, as saudades de escrever não se matam sozinhas e hoje depois de uma folga em que consegui despachar um capítulo da tese, fiz as refeições da semana e ainda treinei de manhã, decidi passar por aqui e deixar-vos uma sugestão.

Desta vez chega em jeito de música, porque no fundo, juntamente com a poesia é ela que nos salva. Descobri Jackson Browne há uns dois meses e desde aí que na minha playlist é tudo o que toca. Não é recente, não é pop, não passa na rádio mas aquece-me o coração na maioria das vezes e nas outras afunda-me em tristezas. A These Days provoca-me um misto das duas coisas e chega embrulhada em mel e com um laço de paz. 

Em forma de presente, deixo-vos a simplicidade de Jackson Browne. Não só para este Natal mas para todos os dias da vida, que a simplicidade é mesmo o que mais esquecemos. O som de uma guitarra. O cheiro a café. O sol de inverno. O estarmos vivos. 

 

 

 


Publicado por Patrícia Caneira

18.09.20

Hoje não vos trago um livro mas sim uma revista, afinal, o mais importante é ler. Como já disse algumas vezes por aqui sou formada em Jornalismo e por isso este universo tem um cantinho especial no meu coração. A primeira edição da DØT Magazine surgiu o ano passado e quando a Joana, que criou este projeto me convidou a fazer parte da segunda edição, a resposta só podia ser positiva. E assim foi.

a9e4c7_b347c890c1e84ae7a96c4cbc7851a3ae~mv2.jpg

Mas não é só por fazer parte da equipa que vos quero falar da DØT. Falo dela porque esta é uma revista recente no panorama nacional, é jornalismo independente feito por uma equipa jovem que quer dar palco à música portuguesa.

A revista, que é vegan em toda a sua produção, impressa em papel 100% reciclado e biodegradável, reúne cinco entrevistas a artistas nacionais sobre música (óbvio) e sobre liberdade, o tema desta edição que se inspirou na música de Sérgio Godinho.

Na capa está Tomás Adrião, lá dentro Golden Slumbers, Fado Bicha, Zanibar Aliens e Lena D'Água. Toda a revista é escrita à mão pela Joana, que tem também o dom de todas as fotografias que lá encontram. 

Depois de sair da gaveta a 16 de setembro, a DØT Magazine está disponível em Lisboa, na Chasing Rabbits Record Store ou online em www.itsdotmagazine.com, pelo valor de €4,50 mais portes de envio. 

Esta é uma boa opção para quem gosta de ler, para quem gosta de música e para quem gosta de projetos inovadores, no fundo, para toda a gente. 

 
 
 


Publicado por Patrícia Caneira

26.04.20

A quarentena não me deu só para cozinhar mais ou repetir a minha série favorita, relembrou-me do mundo incrível que é o Spotify e das coisas boas que lá se podem encontrar. Foi assim que cheguei aos Lewis Del Mar. 

Confesso que o nome não me encantou, não tem grande pinta e chega até a ser foleiro. Mas as referências piscaram-me o olho, já que a banda se encontrava encostadinha a Rainbow Kitten Surprise e isso já era indicador mais que bom. Lá me aventurei pelo meio do mês de março a ouvir estes dois miúdos de Nova Iorque que ainda só têm um EP lançado em 2016 e um albúm de estreia com o nome da banda que saiu do forno no mesmo ano. 

É certo que o material não é muito e que há quatro anos que Danny Miller e Max Harwood não nos presenteiam com nada novo mas se precisam de banda sonora para estes dias de isolamento social, acho que não perdem nada em ouvir os americanos.

We drove to the coast and
Laughed for a century
You sunk your feet
In the empty beach
And took off all your clothes
Said "I'm never going home now
Who's gonna tell me no"

Deixo-vos com a minha favorita, na esperança que se aventurem a mergulhar no álbum todo e que daqui a uns dias isto também não vos saia do ouvido.

Sobre mim

foto do autor

Ophélia está a ler

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub